ASA quer evitar greve geral nos principais aeroportos do país

25 de agosto de 2022

A+ A-

A Empresa de Aeroportos e Segurança Aérea (ASA) quer evitar as greves gerais dos trabalhadores da empresa nos aeroportos de Sal e de São Vicente, previstas para os dias 1 a 3, e da Praia, marcada para 2 a 4  de Setembro próximo, respectivamente, e diz-se disponível para negociar e adoptar soluções para as reivindicações apresentadas.

Essa disponibilidade foi manifestada através de um comunicado na sequência do anúncio de greve por um período de dois dias, 1 a 3 de Setembro, nos aeroportos de Sal e São Vicente, e 2 a 4 no Aeroporto da Praia, abrangendo todas as classes profissionais da empresa e em que os trabalhadores exigem o pagamento do subsídio de férias de 2021. 

A empresa garante que  quer chegar a um entendimento com os sindicatos, bem como ouvir as preocupações dos trabalhadores, de modo a encerrar, de vez, este assunto. A  ASA diz acreditar que a decisão de recorrer à greve, por parte do SINTCAP e do SITTHUR e seus representados se deve a algum lapso de interpretação das decisões do tribunal e dos acordos alcançados com a ASA ao longo do processo.

Perante a situação, e querendo esclarecer a opinião pública, a ASA assegura no seu comunicado que, desde Abril de 2020, o Conselho de Administração tem interagido de forma aberta com os representantes dos trabalhadores, tendo-se chegado a vários entendimentos.

A ASA assegura que, apesar de ter sido forçada  pela crise económica e financeira a adoptar um conjunto de medidas para garantir a sustentabilidade e a resiliência da empresa, nomeadamente a suspensão de algumas regalias consagradas dos seus trabalhadores, a empresa já procedeu à reposição de todos esses direitos, incluindo o pagamento do subsídio de férias.

Nessa linha, a ASA reitera no seu comunicado que o acordo assinado em Abril do corrente ano está a ser “inteiramente cumprido” com o compromisso de atribuição do subsídio de férias, com efeitos a partir de 1 de Janeiro de 2022.