A economia de Cabo Verde deve crescer este ano à volta de 3 por cento

26 de janeiro de 2021

A+ A-

A previsão é da analista do Departamento das Nações Unidas para Assuntos Económicos e Sociais (UNDESA) que segue as economias lusófonas.


Em entrevista à Lusa sobre Cabo Verde a propósito do relatório do UNDESA sobre a Situação Económica e Perspetivas Mundiais divulgado ontem em Nova Iorque, Helena Afonso lembra que que "o turismo vale metade das exportações de bens e serviços” e “é uma fonte muito importante de receitas".

Refere a analista do Departamento das Nações Unidas para Assuntos Económicos e Sociais que o crescimento de 3% do Produto Interno Bruto é sustentado numa recuperação parcial das exportações, maior consumo privado e investimento e mais produção agrícola

Helena Afonso vaticina que a pandemia da Covid-19 vai estar mais controlada a partir do segundo trimestre considerando a disponibilização de vacinas.

No entanto, a especialista das nações unidas alerta que "caso haja um agravamento das infeções, a economia fica prejudicada, por exemplo através de mais encerramentos de empresas que não aguentam as restrições"

No geral, sustenta Helena Afonso, Cabo Verde tem respondido bem à crise, entregando benefícios sociais aos mais vulneráveis e rendimentos às empresas".

A pouca margem de manobra em termos fiscais, reconhece a especialistas das nações unidas. tem limitado a resposta económica e a dívida publica deve aumentar este ano para lá dos 150% registados ano passado.

Os cálculos das Nações Unidas apontam que a inflação para este ano deve acelerar para 11,5 por cento.

 

Disponibilizado online - Multimédia RTC



Artigos Relacionados